DOC’S KINGDOM 2020

20 Anos de Doc’s Kingdom

No Quarto da Vanda

14 de Outubro de 2020
DOC'S KINGDOM 2000
Os debates
Pedro Costa: É evidente que cada filme tem a sua ordem e este tem uma especial, que foi encontrada depois de muitos meses de montagem. Mas, ao mesmo tempo, acho que é um filme que demonstra que não há segredo nenhum em fazer filmes, não há mistério. O Bresson dizia que há uma outra ordem, “uma ordem sobrenatural das coisas”. Mas isso é uma questão de trabalho na montagem, como nós fizemos. Foi muito, muito difícil montar este filme, passámos horas terríveis. Horas não, meses, porque isto não se acha assim do pé para a mão, tem que se começar um trabalho muito preciso, sobretudo neste caso em que não havia argumento, não havia a “cena um, cena dois, cena três”...
7 de Setembro de 2020
ESTAMPAS COLORIDAS
Chris Fujiwara
Se considerarmos os planos de No Quarto da Vanda como sendo semelhantes a estas estampas, somos forçados a perguntar: “Quem está a olhar?” Esta questão torna-se complexa face à concepção e história do filme e ao seu modo de produção, que todos eles problematizam a posição tradicional do autor enquanto alguém que se distancia das cenas e das pessoas de um filme de modo a olhá-las e contemplá-las. Não é difícil chegar à conclusão diferente de que é a própria Vanda quem “vê” No Quarto da Vanda, uma vez que é ela que constantemente dirige a atenção do espectador para os objectos com que se ocupa, e é ela que controla o tom das cenas ao impor o seu próprio estado de espírito de tolerância inquieta, ou através da agressividade ritual que adopta nos seus diálogos com Zita.
7 de Setembro 2020, 18h
Cinemateca Portuguesa
Sessão Especial
No Quarto da Vanda
Pedro Costa, 2000, 171 min.

No duplo aniversário do filme e do seminário, o Doc’s Kingdom celebra 20 anos “No Quarto da Vanda”, visto pela primeira vez em Portugal na primeira edição do seminário internacional sobre cinema documental, em Serpa, em Outubro de 2000.

Se vinte anos depois reconhecemos os trilhos abertos por este filme pioneiro que carrega consigo tantos filmes passados e futuros, a sensação coletiva dos participantes no primeiro Doc’s Kingdom era de entrada em território desconhecido.

“Esta é a sua primeira vitória: é um filme extraterrestre”, declarava o crítico Tierry Lounas na abertura do debate com o realizador Pedro Costa, numa tarde de sábado no auditório municipal de Serpa, dois meses depois da estreia mundial de No Quarto da Vanda no festival de Locarno.

Num momento em que não podemos reunir a comunidade internacional que, depois do Alentejo e dos Açores, se encontra anualmente em Arcos de Valdevez para ver e discutir filmes em conjunto, o seminário Doc’s Kingdom celebra um filme que exalta o cinema como experiência comunal e transformadora.

No Quarto da Vanda será o ponto de partida para um itinerário que nos levará até ao próximo seminário. Na expectativa do reencontro em 2021, estamos a organizar o arquivo de duas décadas do Doc’s Kingdom numa nova plataforma online, disponível no final de 2020.